sexta-feira, julho 21, 2006

Fronteiras

Está cada vez mais difícil identificar a origem de um time pelo modo como ele joga.
Antigamente era fácil. Só de olhar, já se sabia se era um escrete carioca, argentino ou italiano.
Hoje, o Corinthians (que, no ano passado, postulava uma vaga no campeonato argentino) faz jus a uma participação honrosa no Caixão-2007.
O Vasco da Gama acabou de tomar o posto de clube pequeno paulista ao chegar à final da Copa do Brasil. Ou será o Flamengo?
Mas o pior é que, com a torcida informada de que um jogador faz 2,2 dribles por partida ou arremata ao gol 3,6 vezes por jogo e com os treinadores cheios de prancheta `a beira do campo, em breve a turba gritará: "Defense! Defense!"