domingo, fevereiro 03, 2013

Torcendo pelos pequenos

Um dos maiores encantos do futebol é a possibilidade que o fraco tem de triunfar.
Em nenhum esporte coletivo, a inferioridade técnica e/ou financeira tem oportunidade maior de sair vencedora. E isso faz com que surja uma verdadeira legião de torcedores dos pequenos, que mudam seus times conforme a ocasião.
Ontem, a televisão levou dois grandes exemplos de tentativa de superação.
E deixou bem claro que, para que surpresas aconteçam, é preciso que o acaso - não só ele, claro - esteja com boa-vontade para com os menores.
No embate eliminatório entre Gana e Cabo Verde, o time lusófono vendeu a duras penas sua desclassificação. Embora Wakaso tenha marcado os dois tentos da vitória ganesa (2 x 0), os destaques ficam para Dauda e Seechurn.
O primeiro é o arqueiro ganês que salvou sua equipe ao menos quatro vezes, a última já nos acréscimos, em cobrança de falta de Heldon.
Seechurn, por sua vez, foi o árbitro da partida e foi determinante ao marcar um pênalti discutível a favor de Gana.
O técnico de Cabo Verde, Lúcio Antunes, estranhou a escolha de um árbitro da Maurícia para um jogo tão importante. É o que se pode ler no sítio de notícias SAPO.
Ainda que certa maturidade possa ter faltado ao time cabo-verdiano, a ponto de L´Équipe afirmar que a experiência triunfou sobre a indolência, o fato é que Gana esteve muito aquém de sua história e contou com a força de sua camisa ecom tudo que ela implica : respeito do adversário, calma para decidir, condescendência da arbitragem. Basta lembrar que enquanto Dauda teve sete arremates certos em sua direção e Vozinha - o arqueiro cabo-verdiano - viu contra si apenas os dois chutes de Wakaso; o segundo, na verdade, sem o goleiro, pois voltava de um tentativa de cabeceio no ataque.
Veja aqui os gols.

O triunfo dos pequenos estava guardado para mais tarde e mostrou que além do esforço, é necessário recorrer ao improvável certas vezes.
Depois de quarenta anos, o Granada, usual frequentador da segunda divisão espanhola, venceu o grandioso Real Madrid jogando em casa.
A equipe andaluz atacou o esquadrão da capital e soube também se defender. Mas, para vencer e somar três importantíssimos (e improváveis) pontos em sua luta contra o descenso, contou com o ineditismo de um gol contra do artilheiro Cristiano Ronaldo.
Ao fim da partida, Mourinho estava carrancudo, e provavelmente pensava em como a chance de título no Espanhol ficou distante. O torcedor madridista também deve ostentar feições de descontentamento e questionar seu treinador sobre as ausências de Casillas e Kaká.
Sorridentes, é claro, estão os torcedores do Granada - os legítimos e os de ocasião.
Veja o gol contra de CR7.

Um comentário:

Sidarta disse...

O Mali é outra força que veio debaixo, o país em guerra fraticida e os selecionados ganham dentro de campo contra a potência africana.