terça-feira, setembro 17, 2013

De médias e ponderações

No começo do mês passado, a Pluri Consultoria divulgou o relatório intitulado 100 Clubes Com a Maior Média de Público do Mundo, referente aos 12 meses anteriores.
O resultado é pouco animador, pois apenas três clubes brasileiros aparecem entre os primeiros cem: Corinthians (91º), Santa Cruz (95º) e São Paulo (98º). Entre os 200 ponteiros, o relatório cita Grêmio, Sampaio Correia, Bahia, Atlético Mineiro e Sport. Para o chamado país do futebol, os dados colhidos são pouco gratificantes. Deve ser ressaltado que o estudo aponta que três dos times listados (Corinthians, Santa Cruz e Bahia) tiveram variação negativa na presença de público.
Conversando com torcedores de várias agremiações, um corinthiano tratou de lembrar sobre o jogo com portões fechados, resultado de punição na Libertadores. Contudo, mesmo que obtivesse lotação máxima do Pacaembu, o atual campeão mundial acresceria cerca de mil torcedores à sua média e não passaria do octogésimo posto entre os líderes de público.
Um atleticano fez menção às diversas capacidades dos diferentes estádios. De fato, entre os brasileiros citados no estudo, o Galo é o único com taxa de ocupação próxima aos 90%. Entretanto, a opção por um estádio menor revela muito das possibilidades do atual campeão continental.
Um flamenguista, por sua vez, ressaltou o problema da indisponibilidade de várias casas em decorrência das obras para a Copa do Mundo.
Por fim, ouvi, em mais de uma ocasião, que as médias são burras e que era necessário ponderar vários fatores.
Como não entendo de estatística e desconfio que lugar vazio é lugar vazio, deixei cada colega torcedor com suas certezas e permaneci com minhas dúvidas.
Hoje, porém, recebi um artigo interessante, encaminhado por uma fã de futebol. E, nele, o autor ponderou as médias de público do primeiro turno do Brasileirão.
Trata-se de Distorções na Tabela do Brasileirão, por Vinicius Paiva.
Analisando os números de atuações em casa, o autor separou os jogos realizados no meio e no fim de semana. Observando as rivalidades locais, é possível ver que, nos finais de semana, o Cruzeiro atuará mais vezes em casa do que o Atlético; o Fluminense mais do que Botafogo, Vasco e Flamengo; o Corinthians mais do que Santos e São Paulo; a Ponte Preta mais do que a Portuguesa; o Vitória mais do que o Bahia; o Internacional mais do que o Grêmio.
Em sua análise, o autor propõe uma média ponderada, em que todos os times jogassem 35% de seus mandos no meio de semana e o restante nos finais.
Como resultado, anotou que times como Flamengo, São Paulo e Portuguesa obteriam um acréscimo na média de público, enquanto outros, como Corinthians, Cruzeiro e Vasco, variariam negativamente.
As cinco maiores médias se manteriam com Corinthians, Flamengo, Cruzeiro, Grêmio e São Paulo, mas trocariam essa ordem por Flamengo, Corinthians, São Paulo, Grêmio e Cruzeiro.
Como exercício teórico, as simulações do artigo são interessantes, mas não modificam a essência de um dado alarmante: às vésperas da Copa, nenhum clube do país do futebol alcança a média de 30 mil presentes em seus estádios, número alcançado, segundo o relatório da Pluri, pelo Tractor Sazi, que disputa o campeonato iraniano.
É para ponderar...

2 comentários:

Anônimo disse...

Fatores que contribuem para jogar a média para baixo;
Jogos as 22 hs nos meios de semana.
Jogos na TV aberta domingo as 16hs (nos principais campeonatos do Mundo,o jogo da TV aberta é num horario isolado, geralmente sabado a noite). Esse horario das 16hs no domingo faz com que o torcedor deixe de prestigiar o clube de sua cidade, tranformando em torcedor de sofa.
Estadios construidos no meio do nada ( Arena Pernambuco a 30 km do Centro do Recife),voce tem que tomar um metro e depois ainda baldear e andar pra burro de Onibus.(dizem que foi proposital para os estrangeiros não ver o lixo que esta o Recife).
Formulas absurdas de Campeonato, vide Paulixão, onde vc joga 19 jogos,para classificar oito times. Ai num unico jogo, o primeiro colocado que geralmente fez uns 15 pontos a mais que o oitavo é eliminado e fica a ver navios. O torcedor não é tonto

Anônimo disse...

Depois de 57.268.000 de apostas, em 64% das cidades brasileiras, a Timemania apresenta a seguinte parcial em 2013

Time UF Nº de apostas Percentual
1º FLAMENGO RJ 5.715.246 5,32%
2º CORINTHIANS SP 5.099.073 4,75%
3º SÃO PAULO SP 3.969.376 3,70%
4º SANTOS SP 3.655.399 3,40%
5º GRÊMIO RS 3.433.555 3,20%
6º PALMEIRAS SP 3.376.504 3,14%
7º VASCO DA GAMA RJ 3.013.471 2,81%
8º INTERNACIONAL RS 2.988.495 2,78%
9º BOTAFOGO RJ 2.914.276 2,71%
10º ATLÉTICO MG 2.676.913 2,49%
11º FLUMINENSE RJ 2.635.018 2,45%
12º CRUZEIRO MG 2.495.477 2,32%
13º BAHIA BA 2.145.370 2,00%
14º FORTALEZA CE 1.989.202 1,85%
15º GOIÁS GO 1.744.827 1,62%
16º VITÓRIA BA 1.554.981 1,45%
17º ABC RN 1.488.406 1,39%
18º CEARÁ CE 1.408.278 1,31%
19º SANTA CRUZ PE 1.356.543 1,26%
20º CORITIBA PR 1.353.692 1,26%