quarta-feira, agosto 19, 2015

FUTEBOL: UM ESPORTE FORA DA LEI

O assunto que tratarei é algo passado, presente e que com certeza veremos no futuro: a arbitragem no futebol.

Todo ano os noticiários esportivos tratam das polêmicas envolvendo a arbitragem, sejam elas de expulsões; pênaltis marcados, ou não marcados, gols anulados etc... Tudo isso aparenta ser um problema de difícil solução, beirando o impossível, mas que na verdade é algo simples: A TECNOLOGIA.

Ora, todos os esportes coletivos (rugby, futebol americano, basket, vôlei) aderiram ao uso de tecnologia para o auxílio de um resultado justo e com a finalidade de evitar problemas de arbitragem.

A título de exemplo: no decorrer de um jogo, se há algum lance que gera dúvida, a partida é paralisada para análise, após a decisão a partida é retomada. Assim, suponhamos que um gol é anulado, mas a equipe insiste em dizer que o gol é legítimo, os árbitros analisam e decidem se o gol é válido ou não. Pronto!

 MAS...

 Como o futebol é marcado por “falcatruas” e “tentativas de indução ao resultado”, seria comum que as equipes solicitassem de minuto em minuto análises de todos os lances. Por isso, o ideal seria que um número de “desafios” (denominação dada no vôlei e no tênis) fosse dada: 3 ou 5 desafios por tempo, por exemplo.

Anualmente surgem teorias que buscam provar que time X ou Y está sendo favorecido, com a adoção da tecnologia, apenas uma pessoa será: o TORCEDOR. Por que, apenas o futebol dentre tantos esportes insiste em não adotar a tecnologia?

Uma resposta comum dada a esse questionamento é a de que isso acabaria com o “charme” do futebol. Ora, isso é o mesmo que dizer que prender corruptos no Brasil acabaria com o charme do país, pois não teríamos mais discussão política.
Se o futebol precisa de erros de arbitragem para ter charme, que maravilha de esporte hein? Tal mentalidade fraca e retrógada não é desculpa.


O futebol precisa, pra ontem, de uma mudança em alguns conceitos e regras, não importa o que digam alguns “contra o futebol moderno” (seja lá o que isso significa).


Nenhum comentário: