quarta-feira, agosto 22, 2007

Simpatizante

Essa semana, tive uma discussão surreal no trabalho via messenger. Uma colega minha de outro setor resolveu pegar no meu pé toda vez que o Flamengo perdia. E, como vocês sabem, isso se tornou um tanto quanto freqüente.

Como ela é são-paulina, eu não tinha muito como sacanear seu time, que já era líder do campeonato brasileiro. Tive que apelar: "Quantas vezes você foi ao Morumbi ver seu time ser campeão?" – "Nenhuma". Eu sabia. O que faz alguém do Rio de Janeiro torcer por um time de outro estado? Provavelmente o pai.

Mas como eu havia cansado da palhaçada, insisti: "Não tem nada demais você ser simpatizante do São Paulo, agora não me vem dizer que é torcedora". A discussão continuou e ela foi ficando irritada: "Você está me ofendendo". Eu respondo: "Não é ofensa, acho legal você simpatizar com o time. Mas torcer não é só ficar pulando na frente de uma televisão". No que ela responde: "Já vi meu time no estádio em duas oportunidades!". Quase me rasguei de rir. "DUAS? Realmente, eu tenho muito o que fazer para chegar no seu nível de torcedor".

Na verdade, a questão não era essa. É óbvio que ela pode torcer pelo São Paulo sem ficar indo ao Morumbi e que você não precisa ir a todos os jogos para ser torcedor. Mas se o São Paulo tivesse para ela um décimo da importância que o Flamengo tem para mim, ela não correria o risco de perder o amigo sacaneando desse jeito e com essa freqüência. Porque se ela fosse homem, eu já teria era partido pra porrada.