quarta-feira, setembro 05, 2007

Qual será a verdade no Brasileirão 2007

Ontem, tomei uns choppes com um grandes amigos. Todos, no começo de suas terceiras décadas, já sabem que não são mais jovens. Uma das coisas que se faz quando não se é mais o que foi-se, é relembrar as histórias da época que os hormônios pululavam nas artérias.

Um dos assuntos que rolaram no encontro, foi um papo que tive com um dos amigos sobre a objetividade ou subjetividade da verdade sobre os fatos que cada um constrói para si. Lá no milênio passado eu era super relativista, adorava semiótica de Charles Sanders Peirce e este meu amigo era nada relativista. Ele acreditava que os conceitos continham verdades que não dependiam da capacidade dos sujeitos que viessem a manipulá-los.

Bem, passado uma década, eu não sou mais tão semiótico quanto fui e meu amigo já dá valor às subjetividades dos que recebem as informações. Algo inimaginável lá atrás.

Se não comuniquei adequadamente até aqui, veja este exemplo sobre a verdade:

Você se lembra que o Al Gore, que perdeu a eleição para presidente dos E.E.U.U. para o Bush filho em 2000, fez o filme-documentário Uma Verdade Inconveniente, que ganhou o Oscar de Melhor Documentário em 2006. Uma idéia interessante: um cara deixou a disputa política e passou a lutar por um futuro melhor para o planeta.

Mas, como tudo depende de como o intérprete avalia o fato em questão, de que maneira avalia-se alguém que ganha um Oscar em função de um filme ambientalista, pró uso de energias renováveis, e é acusado de manter uma mansão que gasta "mais eletricidade POR MÊS do que o lar médio americano em TODO O ANO". Ou seja, o Sr. Gore seria um ambientalista da boca pra fora. Algo que os brasileiros têm grande facilidade para associar com as práticas dos nossos políticos.

Não me esqueci que este é um blogue futebolístico. Obrigado pela paciência de ter me lido até aqui. Com o parâmetro acima, veja, no Brasileirão, a seguinte situação:

O São Paulo é franco favorito para o Rafael. Ele colocou em comentário aqui no blogue:

..infelizmente pela falta de competitividade e baixíssimo nível técnico dos outros clubes...o SP não sai mais da ponta.

Eu fico mais na penumbra. Não acho que o SPFC esteja tão grantido assim no título. Creio que o Tricolor estará na Libertadores 2008 sem muita tensão. Mas não sou capaz de afirmar um franco-favoritismo para o meu time como o Rafael o fez.

Com certeza, já há corinthianos que crêem numa nova conquista para o time deles, por maior absurdo que isto possa ser.

Objetivamente, é bom porque faz a disputa mais interessante. Particularmente, é mais gostoso ganhar quando há mais calor na disputa.

A sorte está lançada e quero ver se o Tricolor Paulista seguirá o palpite do Rafael, ganhará fácil, o meum que terá que suar um pouco mais o uniforme sagrado, ou um outro absurdo qualquer.

Abraços,