sexta-feira, abril 30, 2010

O Santástico - o outro lado e o lado outro

Um comentário a um texto abaixo em critico o denodo do juizão no primeiro jogo da final do paulistão merece destaque aqui na primeira página deste blogue.

O anônimo santista vê a situação por este ângulo:

Talvez a sorte tenha colocado o Santos no topo da tabela da primeira fase, com 11 pontos a mais que o SP, talvez a sorte tenha feito o Santos marcar quase 100 gols em 4 meses, talvez a sorte tenha sido a culpada por reunir um elenco tão jovem e talentoso, talvez a sorte tenha feito o Santos vencer os dois jogos da semi-final contra o forte e experiente elenco sao-paulino, talvez a sorte ainda faça desse time campeão paulista, ou se perder? vai ser azar?

Sorte e azar, bons argumentos para explicar aquilo que não se quer ver.

Na primeira partida da final, o Santo André fez sua melhor partida do ano, mesmo assim perdeu. O Santos assim como na primeira partida da semi-final, jogou mal e mesmo assim venceu. Mesmo jogando no limite máximo de sua capacidade, tanto SP quanto SA, não foram capazes sequer empatar contra um Santos jogando mal.

Isso que é sorte!

Sorte do futebol, que está vendo o melhor time, com o melhor futebol vencer, ao contrário de anos passados assistindo ao sonolento futebol de playstation ganhando campeonatos enfadonhos e sem brilho.

Sorte nossa que esses meninos vieram mudar a cara do futebol, com velocidade, alegria, irreverência, talento, firula, pedalada, chapeu fora de jogo, dancinha imitando bambi, imitando porco, etc.

Sorte nossa e azar do Dunga!
(neymar não precisa se preocupar em agradar o anão, pq o futuro é dele, azar ou não).

Não dá pra deixar de notar as estocadas que levei. Mas, quem tá na chuva é pra se queimar, pois não há outra saída se se coloca o que pensa na rede mundial de computadores.

No entanto, nunca falei que um santísta não tem sorte ao ver Ganso e cia a jogar por seu time do coração. Muito pelo contrário, tenho admiração e gostaria que um futebol tão vistoso quanto o jogado na Vila fosse jogado em outros campos.

Agora, pra mim, é um pulo do gato retórico que não cola muito querer fazer de conta que não existe craque que garfa o adversário.


Outras fotos famosas em Lego aqui.

Saludos,

2 comentários:

Anônimo disse...

Justamente caro e velho amigo, o que continuo dizendo é que não houve garfada nesse caso, apenas a naturalidade do melhor futebol vencendo. A mão do craque foi também a mão camarada da zaga milésimos de segundos antes.
O que seria mais bonito? uma nova paradinha ou uma rápida, certeira einesperada mão de deus? fico com a segunda opção.
O melhor futebol venceu o peixe em Minas, mas vai levar o troco na próxima semana para enfim o peixe encarar um adversário duro nessa temporada, o grêmio pluralista de Silas, Jonas, Borges e Douglas.

Sidarta disse...

Agora é só esperar o Título.