sexta-feira, abril 06, 2012

Centenário do Santos - O Filme

Torcedores de futebol se parecem muito. Na alta, agem com soberba, apegam-se às estatísticas recentes; na baixa, recorrem à história e põem a arbitragem em voga.
Na proximidade dos centenários, outro padrão se repete: seguidores bissextos se unem aos habitués, as expectativas são depositadas num título, produtos promocionais são lançados.
Agora quem dá a bola é o Santos. E no embalo de uma nova equipe vencedora, emplaca a sua versão dos últimos cem anos.
Como é costume, as mitologias vão se construindo: o clube surgiu no dia do naufrágio do Titanic, o tal do DNA ofensivo, as diversas versões dos Meninos da Vila.
(É prática comum dos historiadores sem método confundir causalidade com casualidade.)
Omitem-se alguns fracassos, justificam-se outros.
As diferenças principais a favor do Santos são duas: (1) o Alvinegro Praiano sempre foi uma espécie de segundo time dos torcedores do trio de ferro paulistano, aumentando o apelo comercial de seu filme comemorativo; (2) tem uma equipe altamente competitiva e pode escapar da maldição do centenário e se tornar o time brasileiro com mais títulos da Libertadores.
Se falhar, poderá ter que conviver com o êxito do Corinthians; se tiver sucesso, poderá menosprezar o recente centenário mosqueteiro.
De qualquer forma, padrões se repetirão. E, além disso, passará a vez para o Palmeiras e seus preparativos para 2014.

Um comentário:

Sidarta disse...

O Barcelona esperá o Santos em Tóquio outra vez pelo jeito.