terça-feira, setembro 11, 2012

Depois da China, a Argentina

Depois de uma disputadíssima peleja contra a forte seleção sul-africana, o escrete nacional mostrou quem dá as cartas ao gigante chinês.
Acachapantes oito tentos exibiram aos asiáticos todo o charme e a graça do ludopédio nacional.
Além disso, em duas partidas em que não foi vazada, nossa defesa confirmou sua solidez. Afinal, não é fácil passar incólume diante dos velozes e potentes finalizadores chineses e sul-africanos.
Acabada a refrega de ontem, o douto comandante adiantou os convocados para o embate com os argentinos. Sem poder contar com os atletas que defendem seu pé-de-meia em outras plagas, o Professor armou um selecionado doméstico.
Convocações caseiras servem a dois propósitos: contentar os críticos locais e deixar claro quem está definitivamente fora dos planos.
A lista de Mano começa com os goleiros Jefferson e Cássio. Considerando que Diego Alves é o titular de ocasião, as portas parecem fechadas para Victor, Fábio e Rafael.
Os laterais do escrete doméstico serão Carlinhos, Lucas (Botafogo), Fábio Santos e Marcos Rocha. Conclui-se, portanto, que Marcelo e Daniel Alves estão seguros por falta de concorrência.
Foram chamados os zagueiros Réver, Dedé e Rhodolfo. Dedé é provavelmente o melhor em atividade nos gramados maltratados de nosso campeonato. Mas, tirando Thiago Silva, não há um beque realmente confiável entre os que frequentam a Granja Comary. Resgataremos Juan e Lúcio?
Para o meio, estão listados os nomes de Arouca, Paulinho, Ralf, Bernard, Thiago Neves, Lucas (São Paulo), Jadson e Fernando. Jadson, constante na equipe de Mano quando jogava no leste europeu, retorna ao rol de selecionáveis. Quem não retorna é Ronaldinho Gaúcho. E, ao que parece, não retornará.
Os atacantes para o Clássico das Américas serão Wellington Nem, Leandro Damião, Luís Fabiano e Neymar. Luís Fabiano provavelmente não estará, pois contundido; Wellington Nem foi uma espécie de recado a Fred, o descontente.
Há um mérito de Mano: não convocou nenhum atleta de Goiânia para agradar a torcida (prática comum dos técnicos em outras épocas).
Mas, pensando bem, não caberia Eron na lateral-esquerda? E Ernandes no meio-campo?

2 comentários:

Sidarta disse...

O importante é q NeyMáximo não perdeu o seu sorriso.

Pedro Caldas disse...

Cheio dos vocabulário, hein, rapaz? Que beleza. Peleja, escrete, ludopédio, acachapante...

Plagas, cara. Lembrei do hino do Inter: "Levas a plagas distantes..."

Quanta erudição em seu prelúdio?!

Ney precisa de banco para tirar toda essa pressão de suas costas. E depois seria reintroduzido aos poucos.

Cavaliere deveria ser o nº 1. Dedé, Luiz e T. Silva são os melhores.

Não concordo com o Ramires escalado de segundo volante. Ele precisa de mais liberdade. Às vezes, penso que quem escala o time não sejo o Mano. Não é possível fazer tanta besteira como ele tem feito.