sexta-feira, setembro 22, 2006

Arbitrar e arbítrio

Sempre escuto, nas transmissões da Globo, o Arnaldo César Coelho dizer que é certo é árbitro e não juiz. Lembrei dele quando li os artigos: Dirigente do Palmeiras mantém crítica e conturba ambiente e Antes de dizer quem é Abel Pereira. Esta última mete, de leve, o pau no Lula e tocou no tema na seguinte parte: "O presidente da República não tem por atribuição se imiscuir na cozinha do seu partido. O que o simbolismo de sua omissão, como petista supremo, revela é a entronização de uma política partidária que, na incapacidade de arbitrar os conflitos, prefere colocar uma pedra em cima deles."

Fui perguntar para o pai dos burros o que, afinal, é arbitrar, para ter certeza. Arbitrar é resolver de modo discricionário, sem dar justificativa ou ter de obedecer à regra estabelecida.

Ai eu entendi porque o Arnaldo gosta de árbitro ao invés de juiz. O juiz deve seguir as regras à quais está subordinado, justificar as decisões. O árbitro decide e pronto e se você não gostar, pode sempre chorar na cama que é quentinha.

O Lula pode muito bem ter de ir chorar na sua cama em São Bernando se os sindicalistas do PT continuarem a confundir as eleições para Presidente do Brasil com as de sindicatos. Não arbitrou por uma gestão menos corrupta, pode tomar um empate aos 48 do segundo tempo e ter de disputar uma prorrogação sem nenhum titular em campo, com chances de perder o que estava ganho.

O pau que canta em Brasília também canta na Rua Turiassu, 1840, o famoso Estádio Palestra Itália da Sociedade Esportiva Palmeiras. Olhem bem para este cara:
O exceltíssimo senhor Diretor de Futebol do Verdão, após a derrota para o Santa Cruz, o lanterninha do Brasileirão, disse: "O Palmeiras jogou um futebol medíocre. Isso é o que precisamos avaliar. O Tite tem que calar a boca e parar de reclamar dos juízes. Mesmo que eles [árbitros] tenham errado, temos que jogar bola".

Pois muito bem Salvador Hugo Palaia, o quê que é isto? Manda o Tite embora ou dê instruções claras ao seu subordinado e pare de reclamar, tem cama pra Vossa Senhoria também neste Brasil.

Cadê o Presidente do Palmeiras que não consegue arbitrar com clareza quais são as funções do técnico e do diretor?

Fica um samba do criolo doido que não leva a lugar nenhum. O Brasil é o grande exemplo de que casa da mãe Joana não vai longe. O economista Eduargo Giannetti, em entrevista para o Jornal Valor, disse, em linhas gerais, que as forças conservadoras do Brasil são muito fortes e disseminadas pelas sociedade e não há liderança capaz de modernizar o país. Ele, e eu também, quer que o povo receba boa educação entre outras coisas. Para o economista, o Brasil não cresce por sua própria incapacidade, nada de culpar crises fora daqui. Ele é liberal demais pro meu gosto, não assino tudo o que fala, mas tem crédito nas linhas gerais, pelo menos.

Quem vai arbitrar nos estagnados Palmeiras e Brasil? Ninguém, pelo jeito.

Abraços,