segunda-feira, janeiro 08, 2007

Não foi como na TAM

O caldo deu uma bela entornadinha lá no interior de São Paulo. A Diretoria do glorioso Rio Claro Futebol Clube foi passada pra trás por São Pedro.

Até novembro, meados de dezembro, tinha-se o seguinte: o Agüinha(alcunha do Rio Claro F.C.)jogaria o Paulistão 07 no Estádio da Prefeitura. No entanto, no Schimittão não tem espaço para o número mínimo de torcedores que a Federação Paulista exige. Essa lacuna de assentos seria preenchida por duas arquibancadas a ainda serem construidas atrás dos gols com estruturas tubulares (como aquelas usadas em rodeios). Tava certinho: tinha dinheiro, havia cronograna para a construção dessas lances faltantem e já tava tudo contratado. Para se erguer os tubos da arquibanca, é necessário que se faça uma pavimentação asfáltica que apoiará a estrutura. Os asfalto faz as vezes de um fundação.

Mas o Santíssimo São Pedro só faz chover desde dezembro na Cidade Azul. O céu de lá tá cinza a maior parte do tempo nesse início e final de ano.

Qual o problema?

Simples, o asfalto é como laje de casa, só pode ser feito em épocas de sol firme por uns dias. Assim, como chove dia sim e no outro também por lá, não é possível ser feita a obra de engenharia necessária. Assim, a FPF autorizará que o Azulão mande seus jogos na em sua terra.

Bem, vamos que vamos, não será esse contratempo que tirará o título do Rio Claro Futebol Clube.

Tá faltando lugar no Schimittão. Mas é um caso totalmente diferente do TAM. O as passagens vendidas a mais não é um situação com origem santa como as chuvas que impedem que se faça as arquibancadas necessárias. Queria ver a cara do Comandante Rolim.

Bem espero sensibilizar os nossos dez leitores diários para o imbróglio do time de minha terra natal. Não é razoável que uma cidade com quase 200 mil habitantes veja seu time jogando em Araras, Limeira ou Piracicaba. Tá certo que está tudo a meia hora de lá, mas essas chuvas incansáveis poderiam ser consideradas pela F.P.F. Afinal, veio dos ares a causa desse atraso e contra esse tipo de evento não há planejamento que dê garantias. Algo bem diferente do que aconteceu na TAM, onde problemas terrenos impediu muita gente de voar sossegado pelos céus.

Abraços,