segunda-feira, janeiro 05, 2009

Crise em Israel, até o Futebol feneceu

Mesmo da perspectiva futebolcêntrica deste blogue, a coisa está feia na região em que nasceu Jesus.

 

Eu gosto do Haaretz, veja esta matéria:

 

Gaza war sparks tensions for Israeli Arab soccer team

http://www.haaretz.com/hasen/spages/1052612.html

 

By Moshe Boker and Moshe Harush

Tags: israel news, gaza, soccer 


Before the Israel Police and Israel Football Association decided yesterday to postpone the Toto Cup soccer match between Bnei Sakhnin and Kiryat Shmona, Sakhnin chairman Hassan Abu Saleh asked the IFA for guarantees his team would not be punished if fans make racist chants during his team's games.(...)

 

 

Particularmente, de onde vejo, não é possível enxergar nenhum santinho dentre os líderes de ambos os lados. Mesmo quando se olha para as populações que sofrem mais ou menos, também não dá para dizer que são amantes da paz e da harmonia enganados pelos seus políticos. É mais ou menos a mesma coisa que se passa com aquele torcedor que gosta que o juizão roube pro time dele, mas se descabela todo quando é o adversário que é beneficiado.

 

É muito estranho alguém brigar por religião para mim. Outro dia vi uma família de chineses no supermercado. Mãe, pai e três crianças entre 5 e 10 anos, todos falando e se portando como seus antepassados. Diante da cena, comentei com minha namorada: quanto tempo até se abrasileirarem totalmente!?

 

Do que percebi dos meus amigos descendentes dos japoneses que vieram pra cá a uns 100, 50 anos, os netos da mamãe e do papai china do supermercado já estarão curtindo um pagodinho com certeza. Pelo menos, esta é minha aposta se a C.N.T.P. se mantiver estável por aqui.

 

Mas o mais sem pé e cabeça de tudo, por aqui, é ver que as torcidas organizadas se pegam, os caras se matam, em razão de um time de futebol.

 

É bizarro, se uma pessoa se dispõe a lutar, matar e morrer, que seja, pelo menos, por um Deus, uma Pátria ou por Dinheiro mesmo. Mas matar por um time é nonsense. Ambos os lados, lá nas Terras de Salomão, crêem em designações divinas pelo menos.

 

Tamos de volta em 2009!

 

Abraços,