sexta-feira, setembro 08, 2006

O que é mais importante?

Nunca saberei se é fato ou se é só mais uma estoriazinha maledicente; de qualquer forma, ai vai.

Joãozinho ganhou uma viagem para a Alemanha para assistir aos jogos do Brasil na Copa em uma promoção. O garoto tinha direito a levar um acompanhante e escolheu seu papai.

Se até aqui, leitor, você acha que está tudo bem e vê o Joãozinho como um garoto sortudo, abra a sua cabeça aos novos arranjos familiares!

O papai do menino já não vivia com a mamãe dele e ambos, pai e mãe, não tinham a mais harmonioza relação entre si. O resultado da cizânia parental foi o tradicional, sobrou para o sortudo Joãozinho.

A mamãe do Joãozinho, com quem o menino morava, decidiu que era melhor que o filho não fosse para a Alemanha com o pai. Pois, o mais importante para o pré-adolescente era a escola.

O papai entendeu que ir para a Copa era o fundamental e, em não convencendo a sua ex do contrário, levou o caso para um juiz decidir o que deveria ser feito da vida de Joãozinho.

Como todos sabem, a Justiça brasileira é lentíssima e nunca seria capaz de chegar a uma conclusão antes da copa (a divergência familiar se deu lá pra Abril). Assim, coube ao juiz decidir, ainda que provisoriamente, o que aconteceria com o nosso heroi. Quer dizer, a decisão do julgador foi provisória só na letra da lei, o que ele decidisse teria efeitos permamentes, não haveira modo de ser desfeito.

Dessa maneira, coube ao juiz falar o que era mais importante: o final do semestre escolar ou a ida à Alemanha.

O juiz falou pro muleque ir para a Alemanha, no final das contas. Mas, com toda certeza, não foi a melhor escolha quando se olha para o passado. Creio que esse juiz vai ter, nos muitos momentos de solidão de sua vida, crises de consciênca por ter mandado o menino para ver aquela tragédia. Essa escolha, que se mostrou errada com o tempo, será mais uma que irá lhe perturbar a vida. Um garoto de quase 10 anos ser submetido a todas essas tensões emocionais deve ter ficado traumatizado.

Abraços,