sábado, dezembro 30, 2006

Os empresários

Por mais que muitos comunistas pensem que o sistema capitalista é intrinsecamente injusto, tenho a imprensão que um mercado bem ajustado tem como produzir justiça. Não como distribuir de maneira ideal, mas há como fazer algo aceitável.

Os empresários, atravessadores, agenciadores e intermediários são figuras conhecidíssimas desde a muito tempo. Diria que são pré-capitalistas. Os fenícios navegavam o Mediterrâneo sem produzir lá muita coisa. Seu ativo era a intermediação lucrativa de bens que faziam.

Aqui, hoje em dia, no nosso mundo da bola, os empresários fazem a mesma coisa. Pegam aqui e vendem lá. Buscam as oportunidades. Os judeus são estigmatizados até hoje por buscarem o lucro em épocas que a Igreja Católica tinha poderes políticos e vedava a usura. Os nosso empresários da bola, vira e mexe, são retratados como os inventores do monoteismo.

Para a imprensa é muito fácil meter a boca em algum empresário. Não estará incomodando nenhum time ou torcida diretamente. Mas, só criticam os empresários sem bom material. O Juan Figger é sempre respeitado, os do Ronaldinho Gordo só foram criticados porque a polícia já tinha os enquadrados. Chutar bêbado é f'ácil.

Eu, pessoalmente, não tenho nada contra os empresários. Só não gosto dos que se travestem de jornalistas ou dirigentes. Isso é fraude ou, no mínimo, uma ação contra o mercado. Algo para o CADE julgar proibido de dar uma multa pesada. Concorrência entre empresários de jogadores tem de ter um mínimo de credibilidade.

Abraços,