segunda-feira, junho 25, 2007

Quando homens se tornam crianças

Atualmente, não tenho mais chorado com freqüência. Lembro-me bem de quando era mais novo, muito provavelmente por ser o menor da turma e família, costumava ser o “saco de pancadas” da garotada. Qualquer soco, tapa ou até uma simples ameaça, era uma grande deixa para o beberrão dar sua voz. Corria para o braço de minha mãe e esperava um castigo mais do que justo ao meu algoz – a perda da mesada e umas boas cintadas, freqüentemente eram tidas como ótimas sentenças.

Porém, quando o menino cresce, esse ato se torna até de certa forma vergonhoso. Salvo raras exceções, como velórios e bebedeiras, chorar vira motivo de piada por bons tempos – tudo bem que, muitas vezes, um “amigo é coisa para se guardar” rende boas histórias no bar. Contudo, a paixão futebolística pode transformar essa emoção em um bom close na tela da Globo.

Assim que tive o hábito de visitar rotineiramente o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, duas foram as vezes que tive que engolir seco o soluço e me conter.

Ano de 2004. O Timão jogava sua permanência na Série A-1 do Paulista contra a A. A. Portuguesa Santista. O elenco era bem fraco, muitos provindos daquele pífio pacotão, tais como Rodrigo Beckham, Régis Pitbull, Adrianinho, Váldson, entre outros tantos. O Coringão conseguiu perder para o também ridículo time da baixada santista e o pior aconteceu: fui obrigado a torcer pelo São Paulo que, se vencesse o Juventus, salvaria o nosso Todo-Poderoso. A angústia de vibrar por um rival, me deixou ao mesmo tempo triste e irritado. Como uma nação pode ter um staff tão sofrível? O choro veio, mas tive que detê-lo antes que ele começasse a aparecer. Grafite, com dois gols, fez com que o público, que lotou o estádio, voltasse para casa um pouco menos irritado.

Dois anos mais tarde, no auge da parceria com a MSI, finalmente o Corinthians tinha um bom elenco. Tudo bem, a defesa não era das mais fortes (Sílvio Luiz, Coelho, Betão, Marinho e Gustavo Nery), mas o ataque talvez tenha sido o melhor da história recente do futebol brasileiro, com Carlitos e Nilmar. Oitavas-de-final da Libertadores. 3 x 2 para o River Plate no primeiro confronto. A revanche seria no mesmo Pacaembu. Uma vitória simples já dava a classificação para nós e, por isso, a massa novamente lotou o palco. Recordo-me do como foi difícil comprar meu ingresso. Após uma longa conversa com um cambista – não tive a menor chance de compra na bilheteria, devido às altas filas e vendas irregulares – adquiri meu convite por altos R$ 45, arquibancada. “Tudo bem”, pensei. “O que vale mesmo é a vitória do Timão”. Cheguei ao estádio quinze minutos antes do jogo começar e vi o quanto a torcida estava confiante. Na entrada a primeira desilusão. Meu ingresso era falso e toda vez que o inseria na catraca, a mesma recusava. Um “Ah, pula aí”, salvou meu dinheiro e empolgação. Posicionei-me junto a Coringão Chopp, a única organizada interessante, e comecei a torcei pelo meu time. 1 x 0 na primeira etapa. Nilmar. Quando o segundo tempo se iniciou, trouxe consigo a minha decepção. Porra, que time era aquele? Cadê a garra corintiana? Virada por 3 x 1. No derradeiro, mais uma vez segurei o choro por tamanha decepção. Era o presságio de mais uma confusão. O final, todos se recordam daquele vergonhoso confronto entre torcida e polícia.

Acho que é por causas como essas que fazem o futebol tão apaixonante e vibrante. Um dia a gente goza. No outro, sofre. Espero que, com este elenco atual, a primeira opção seja a mais válida. Fé eu tenho para isso. Vai Corinthians!

6 comentários:

FERNANDO disse...

Pare de chorar Sidarta. Vc foi o feliz ganhador de uma camisa oficial do Grêmio Catanduvense de Futebol em soretio do BdF Brasil. Com a troca de fabricante (era a Dellerba e passou pra Pró X de Marília) os uniformes estarão disponíveis para serem comercializados após o dia 13/07 qdo serão oficialmente apresentados num jantar na cidade feitiço. Portanto, aguarde um pouquinho que em breve vc estará recebendo a camisa, ok? Me envie os seus dados. Ahê, quando receber a camisa, use-a com carinho meu véio! Abraços.

carlão disse...

Sofrer faz parte da cartilha do corintiano.

Osc@r Luiz disse...

Sidarta, amigo:

Primeiro - obrigado pela visita. É um prazer recebê-lo pela primeira vez no meu blog.

Segundo - minha casa é sua casa, entre e fique à vontade. Quando sair, leve o que quiser. Será uma honra ver algo que eu postei contribuir com a sua casa.

Terceiro - gostei muito do seu blog e vou tomar a providência de linká-lo aos meus dois blogs pra não perder o caminho.

Quarto - como gremista, recebo dos amigos, bastante coisas sobre futebol. Ou enlatecendo ou tirando sarro do Grêmio ou do Inter. Nos meus arquivos tem alguma coisa. Fique à vontade de trazer pra cá o que bem entender.

Quinto - Um abraço! Apareça sempre!

Anônimo disse...

Laiá, lalaiá...

Anônimo disse...

Jojoey

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,