terça-feira, setembro 22, 2009

Se esse fosse o Flamengo...

Domingo, o Maracanã assistiu a uma pintura. Me lembrou da minha infância, no final da década de oitenta, quando o time contava com onze craques e parecia imbatível. Mas não era.

Se até Willians, o troglodita, fez golaço, algo deu muito certo naquela noite. Pet fez mais um gol de Pet que me deixou sem palavras e o Imperador... bem, o apelido diz tudo. Há tempos não vejo meu time jogar com tanta competência e de forma tão bonita.

Infelizmente, esse jogo foi só um jogo. Apesar da boa fase, o Flamengo é o time mais inconstante que existe. Perde para times piores, ganha de outros que disputam o título, joga dois jogos bem, um mal, um dia sonha com a Libertadores, outro foge do rebaixamento.

Mas sonhar não custa nada e, se o time consolidar esse futebol, mesmo fora de casa, Libertadores vai ser pouco. O rubro-negro me deve algo desde 1993 – o hexacampeonato – e dívida rolada tem juros. Claro, podemos negociar, por enquanto eu me contento com o título do Brasileirão. Ano que vem negociamos o da Liberdatores e o do Mundial. Sonhei demais?