segunda-feira, novembro 27, 2006

Cadê o futebol paulista?

O comentário do blogueiro Breiller Pires, que escreve suas opiniões no Rola Blog, ao escrito anterior e a mensagem eletrônica que Eduardo dos Santos mandou para a lista Mundo da Bola (a lista de discussões é boa!) me deram a dica para este daqui.

Os dois tocam no mesmo assunto: onde foi parar a força bandeirante dentro dos gramados? Há todo um papo que o Estado de São Paulo é a locomotiva do País. Sempre me deparo com dados como: nas 4 últimas eleições para Presidente havia políticos de São Paulo no 1o e 2o lugares; 50% da produção científica nacional é feita aqui; 30% do PIB está em SP e por ai vai... Ou seja, disso tudo, chega-se ao óbvio que todos sabem: São Paulo é mais rico que o resto do País e o futebol paulista deveria sê-lo também. As vergonhosas campanhas da Portuguesa, Guarani, Ponte, Corinthians e Palmeiras não honrariam as viúvas mais extremadas do antigo Partido Republicano Paulista. Aquele o Vargas, pai dos pobres e mãe dos ricos, botou pra correr com a Revolução de 30 (adoro a Enciclopédia Aberta Wikipédia).

Agora, a conclusão que eu tiro desses dados é bem particular. Não adoro essa pujança paulista e paulistana. Muito pelo contrário, acho que paulistocentrismos não levam a nada além do que a história do Brasil já nos mostrou até agora -- miséria, concentração de renda, autoritarismo... Tanta pobreza pelo País a fora faz da liderança do Estado de São Paulo uma vitória inglória. De que adianta ser o maior entre vários que nada ou pouco têm quando se considera o grosso da população? Claro que sei, por outro lado, que há muita gente e instituições sociais de respeito em todos os Estados brasileiros, não pretendo ser, de modo algum, desrepeitoso. Aqui nas terras às margens do Tietê é, para mim, o menos pior em um monte de coisas; mas, de maneira nenhuma, não é motivo de orgulho sectário.

Assim, voltando ao Futebol, dentro dessa perspectiva, acho interessante que no ano que vem só 4 times paulistas joguem na 1a divisão do Brasileiro. A diversidade é uma das forças do fututebol brasileiro e os paulistas não podem ocupar muito espaço que ela se dê de modo pleno. Mesmo que o meu Interior Paulista natal vá para o sacrifício.

O Paulista, Marília, Ituano, Portuguesa e Santo André não subiram para a 1a; a Ponte e o São Caetano cairam para a 2a; e, o Guarani para a 3a. Tá de bom tamanho pelo que jogaram.

Fora o time do Morumbi, a nota interessante é o Grêmio Recreativo Barueri, que, inclusive, já fui ao jogo. Tá certo que parece que há um pouco de ajuda da Prefeitura, do jeito que o São Caetano tinha também, mas isso não tira o mérito do time. Pelo jeito, subiram para a Segundona.

Parece que o Santos não quer ir para a Libertadores, mas só vai dar pra saber isso na última rodada. É emoção para muitos contra ou a favor dessa ida. Acho que um Vasco e Flamengo seria mais interessante (li isso em algum lugar e concordo! Mas não lembro onde).

Como sou são-paulino, não vou torcer para que o Inter ganhe em Tóquio. Mas se ganhar, o meu lado cidadão brasileiro que quer um futebol, escola, classe média, saúde e tudo mais forte e bem distribuido por todo este nosso País não ficará de todo impassível. Reconheço de pronto que o Pato é um cara bom. Não dá pra falar, é claro, que é um craque porque o Palmeiras só ficou na 1a porque a Ponte consegue ser pior que ele.

Abraços,